Free Flow: como funciona esse novo sistema de pedágio?

22 de março de 2024 | Logística

A CCR (Companhia de Concessões Rodoviárias) está sempre em busca de solucionar problemas relacionados à concessão de infraestrutura, transportes e serviços, onde ela já se estabeleceu como uma das líderes na administração de rodovias no Brasil.

Sem dúvidas um dos maiores problemas das grandes cidades é o trânsito nas rodovias causados principalmente pelos pedágios.

Todos sabemos o quanto é desafiador pegar filas extensas de engarrafamento em feriados a caminho dos litorais, o Free Flow vem como uma alternativa para resolver essa problemática.

Esse novo sistema visa revolucionar a maneira como os motoristas são cobrados ao passarem por praças de pedágio, eliminando as barreiras físicas e adotando um método alternativo e mais eficiente.

Essa nova modalidade de cobrança fará total diferença para as empresas de transporte de cargas que estão na estrada, buscando atender toda a logística do país.

O que é o sistema Free Flow?

Free Flow – ou fluxo livre – se refere ao sistema de cobrança de pedágios sem cabines, cancelas e sem que seja necessário interromper o tráfego de veículos, uma vez que a cobrança é feita de forma eletrônica com auxílio de equipamentos que identificam a tag ou a placa do veículo.

Resumidamente é um sistema que possibilita a passagem sem pedágio em rodovias e vias urbanas, onde a cobrança ocorre com base na quantidade de quilômetros rodados.

Segundo João Octaviano Machado Neto, ex-secretário estadual de Logística e Transportes de SP, o pedágio Free Flow trata-se de uma “Justiça Tarifária”, segundo o mesmo: “Se você for andar 10 km você paga por 10 km, se você for andar 100 km você paga por 100 km”.

Basicamente o motorista paga apenas pela quilometragem rodada, e não o valor cheio entre um pedágio e outro.

Atualmente, mesmo se o motorista rodar um percurso menor entre as praças, paga o valor inteiro. Desta forma o objetivo é deixar mais justo o preço cobrado ao motorista.

Como funciona o Free Flow em pedágios?

Como funciona o Free Flow em pedágios?

Para utilizar o sistema Free Flow, o motorista precisa ter uma TAG (Tag de Pedágio Eletrônico). A TAG pode ser adquirida em lojas de conveniência, postos de gasolina e pela internet.

A estrutura do Free Flow utiliza uma tecnologia bem parecida com aquela que pesa os veículos em movimento, onde a tecnologia permite aferir o peso do veículo na própria via sem a necessidade de reduzir a velocidade.

No caso do fluxo livre, nas vias são instalados pórticos com câmeras e sensores, além de sensores no asfalto.

Junto de um software, esses equipamentos são capazes de identificar a tag ou a placa do veículo, classificá-la e até mesmo saber se o veículo está vazio ou carregado.

Se o veículo tiver tag de pedágio o valor é cobrado automaticamente na própria tag, se não tiver, a cobrança é associada à placa do veículo e pode ser consultada pelo usuário da via através do site da concessionária.

O que acontece se o veículo não tiver TAG de pedágio?

Quem não usa tag, tem até 15 dias para fazer o pagamento do valor do pedágio, se não fizer isso, de acordo com as leis do código de trânsito brasileiro, vai pagar uma multa por evasão de pedágio.

O não pagamento da tarifa configura infração grave e implica em uma multa de R$195,23 e mesmo assim, além do pagamento da multa ainda é preciso quitar o débito do pedágio.

Lembrando que usando o tag, os descontos podem variar entre 5 a 70%.

Onde já tem Free Flow no Brasil?

Onde já tem Free Flow no Brasil?

Por enquanto esse sistema foi instalado pelo grupo CCR na BR 101, também conhecida como Rio Santos, em um trecho entre o Rio de Janeiro e Ubatuba, ele começou a funcionar em março depois de passar por uma fase de testes. São 3 pórticos, em Itaguaí, Mangaratiba e em Paraty.

Atualmente a tecnologia Free Flow está disponível em algumas outras rodovias dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, a expectativa é que essa tecnologia chegue a mais rodovias e a outros estados em breve.

1. Free Flow – SP: Rodovia Ayrton Senna (SP-070):

Sentido Capital (Guarulhos – São Paulo):

  • km 22,5 (região do Cumbica)
  • km 17,5 (região do Parque Ecológico do Tietê)
  • km 12,5 (região da Ponte do Tietê)

Sentido Interior (São Paulo – Guarulhos):

  • km 12,5 (região da Ponte do Tietê)
  • km 17,5 (região do Parque Ecológico do Tietê)
  • km 22,5 (região do Cumbica)

Futuros pedágios Free Flow-SP que estão em processo de implantação (previsão de funcionamento):

  • BR-101 (Rio-Santos): entre Praia Grande (km 165), Mongaguá (km 184) e Itanhaém (km 218), com previsão de início da cobrança em 2024.
  • Rodovia Padre Manoel da Nóbrega (SP-055): entre São Paulo (km 0) e Mongaguá (km 125 e 104),Cubatão (km 32), Praia Grande (km 73), Itanhaém (km 125), com previsão de início da cobrança em 2025.
  • Rodovia dos Tamoios (SP-099): entre São José dos Campos (km 88) e Caraguatatuba (km 129), com previsão de início da cobrança em 2026.
  • Rodovia Oswaldo Cruz (SP-125): entre Taubaté (km 0) e Ubatuba (km 132), com previsão de início da cobrança em 2026.

2. Free Flow – RJ: Rio-Santos, BR-101 (Rio de Janeiro)

  • km 414 (Itaguaí)
  • km 447 (Mangaratiba)
  • km 538 (Paraty)

3. Free Flow – RS: ERS-122 (Rio Grande do Sul)

  • km 108 (Serra Gaúcha)
  • km 151 (Serra Gaúcha)
  • km 45 (Metropolitana de Porto Alegre)
  • km 4 (Metropolitana de Porto Alegre)

4. ERS-446 e ERS-240 (Rio Grande do Sul):

  • ERS-446: km 6, km 23 e km 36
  • ERS-240: km 30, km 45 e km 60

Observações:

  • As datas de início da cobrança dos pedágios Free Flow nas rodovias acima ainda não foram definidas.
  • Os valores das tarifas e a localização dos pórticos podem sofrer alterações.
  • Para mais informações, consulte os sites das concessionárias de rodovias.

O modelo mencionado, já implementado em mais de 20 países, incluindo os EUA e a China, opera de forma semelhante ao sistema de pagamento automático de pedágios por meio de adesivos eletrônicos, conhecidos como “tags”.

O Free Flow no No Brasil, empresas como Sem Parar, ConectCar, Valoe, Greenpass e Move Mais oferecem serviços desse tipo.

Leia também: O que é pré-stacking?

Quanto custa o Free Flow?

Em geral o valor da tarifa é de R$4,60 (de 6h de segunda-feira às 18h de sexta-feira) a R$7,60 (fins de semana).

Na estrada ERS-122, entre Flores da Cunha e Antônio Prado no Rio Grande do Sul, o valor da tarifa é R$8,30, o mesmo da antiga praça de pedágio de Flores da Cunha, onde foi registrada a passagem de mais de 187 mil veículos e uma taxa de inadimplência de aproximadamente 12%, segundo dados da concessionária que administra a rodovia, a Caminhos da Serra Gaúcha (CSG).

Segundo pesquisa realizada:

  • 46% utilizaram tag (adesivo eletrônico colado no para-brisas);
  • Entre os que optaram pelo pagamento por meio do aplicativo CSG FreeFlow ou pelo site da concessionária, 38% quitaram via Pix;
  • 10% inseriram créditos antecipados;
  • Apenas 3% pagaram com cartão de crédito;
  • 2,66% usaram os totens disponíveis nas bases de atendimento para o pagamento;
  • O cartão do vale pedágio foi utilizado por 0,34% dos clientes;
  • A maioria dos motoristas (57%) efetuou o pagamento no dia da passagem pelo pórtico.

Segundo o Governo do Rio Grande do Sul, o primeiro mês de funcionamento do Free Flow é considerado satisfatório, após levantamento da concessionária CSG apontar baixa inadimplência neste novo sistema de pedágio .

Como pagar pedágio Free Flow?

Além das imagens em 3D, os computadores conseguem identificar o tipo de veículo e quantos eixos eles têm, utilizando de um sistema que marca a quantidade de rodas.

Depois o sistema Free Flow junta todas essas informações como: Placa, tipo de veículos, se tem tag ou não, e faz a cobrança de acordo com cada caso.

Se tiver uma tag, ele cobra direto pela tag e esse é o jeito mais simples, tendo um desconto que pode chegar a 70% do valor da tarifa.

Se não tiver tag, vamos mostrar o passo a passo, a seguir.

Como funciona o procedimento para pagamento dos pedágios Free Flow:

  1. Baixe o app da concessionária relacionado ao estado onde fica a rodovia em questão. Por exemplo, baixe o app CCR SP em seu telefone, ele está disponível nas plataformas digitais.
  2. Na tela inicial do app procure o banner Free Flow e acesse.
  3. Digite a placa placa do veículo que utilizou ao passar pelo pórtico de pagamento eletrônico de pedágio.
  4. Na sequência clique em buscar débitos.
  5. Na tela seguinte são identificadas a quantidade de passagens e débitos para o veículo indicado. Se estiver tudo certo é só escolher a opção de pagamento que pode ser cartão de crédito ou Pix e clicar em pagar.
  6. Agora é só seguir os procedimentos de seu banco.

Dá pra realizar este procedimento pelo whatsapp também ou pagar em dinheiro mesmo em alguns postos de atendimento.

Benefícios do Free Flow

Um aspecto importante do sistema Free Flow é a privacidade dos usuários. Embora os veículos sejam identificados automaticamente, os sistemas são projetados para garantir que as informações pessoais dos motoristas sejam protegidas e utilizadas apenas para fins de cobrança de pedágio, sem rastreamento adicional de movimentações.

Outro aspecto que vale mencionar é que para a construção dos pórticos do Free Flow, não é feita nenhuma alteração no meio ambiente, muito diferente no caso das construções dos pedágios que eram necessárias o desmatamento de extensas áreas florestais.

Sendo assim, uma forma alternativa muito mais sustentável que a convencional.

Conclusão sobre os pedágios Free Flow

Conclusão sobre os pedágios Free Flow

Em resumo, o Free Flow significa um salto significativo na gestão de pedágios, oferecendo maior conveniência, sustentabilidade e fluidez no tráfego.

Sendo assim, podemos esperar uma experiência de viagem muito mais agradável, barata e sem complicações nas estradas no futuro, à medida que essa tecnologia continuar se desenvolvendo e se tornando mais difundida.

 

Conheça os serviços da Decklog, uma transportadora de cargas no porto de Santos, pronta para atender você nas suas demandas logísticas. Fale conosco!